quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Iessiênin



Até logo, até logo, companheiro,
Guardo-te no meu peito e te asseguro:
O nosso afastamento passageiro
É sinal de um encontro no futuro.

Adeus, amigo, sem mãos nem palavras.
Não faças um sobrolho pensativo.
Se morrer, nesta vida, não é novo,
Tampouco há novidade em estar vivo.

(1925)
Iessiênin escreveu o poema acima com o
próprio sangue ao se suicidar cortando
os pulsos e se enforcando em seguida.

Nenhum comentário: