quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Coração de Duchamp em versos simples

Coração meu que ama,
caixinha de cultivar amor e tulipas..
Desconheço qualquer outra utilidade pra o meu coração,
esse músculo-motor arcaico..
Nem Duchamp, o velho inventor,
traria novo uso para ele.
Eis que o ouço bater
às vezes calmo,
às vezes fora de ritmo
às vezes inquieto.
E ele sofre
E chora
E sorri..
Ahhh, coração meu,
motorzinho de vida,
bomba eficiente onde cabem os sentimentos meus
e tu,
SEMPRE TU!!!

(Tortolla - British Virgin Islands)





Nenhum comentário: