terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Longe, longe me escrevo



Escrevo-me em rendas
crochês de linhas de seda
cinzas e carmim.
Cor de sangue..
escrevo-me liquefeita
em estado bruto
alma de folha branca
cor de vento a andar pela rua
vagões
antigas ferrovias
navios ao mar..
longe..
longe..
longe..

ESCREVO-ME POR QUE NÃO ME SEI..



Nenhum comentário: