quarta-feira, 2 de março de 2011

Boca de laranja poema


E que meus olhos não me bastem para ver-te.
Que eu viva à sombra tua,
ouvindo da tua boca
pronúncia,
pranto,
promessa.

Boca de laranja poema.
Dedos de orvalho a percorrer meu cabelo,
lenço teu dourado..
no vento silencioso do mar.
Eu..
Tua..

És ardil.
És manhã.
És canto de se sentir na alma..
na pele nua..
a pele esta,
que espera..
..
a poesia tua..





Nenhum comentário: