segunda-feira, 6 de junho de 2011

Manhãs de cor febris


Respiro-te em infinitas cores como são teus olhos.
Respiro-te porque são tuas minhas manhãs febris.
Essas manhãs em que durmo
 e tu, amor,
 és quem me desperta..


Bruno di Maio

Nenhum comentário: