quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Separação em dois atos






Porque me vou.
E te deixo essa casa vazia de paredes brancas,
te deixo uns galhos secos..
e uns livros inúteis.
Deixo também aqueles discos de vinil
e o meu tênis azul desbotado.
Joga tudo fora!!
Não esquece de dar comida ao cão que nunca tivemos,
de aguar as plantas que deixamos morrer,
e fechar as janelas - eu sempre tive medo de ladrões.

Me vou..
Ficam os desamores, as impaciências e os descuidados.
Todos lá, belos e bem colocados, na estante da sala.
Aninha-os no peito.
Conversa com eles.
Aceita-os - serão teus novos companheiros.
Me vou e te deixo tudo.
Te deixo essa fatura de ex-amor, de ex-amante, de ex-marido.
Uma promissória nula sobre a mesa e aqueles discos insuportáveis que tu tanto gostavas.
Me vou e te deixo tudo..
Tudo..
É carnaval.
Jogarei-me na avenida até ver o amor morrer dançando, suado, o samba do fim.



Separação - Munch

Nenhum comentário: