quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Versos aguardando teu colo



Todos esses meus poemas são teus. 
São feitos de ti. 
Eu uso os traços do teu rosto e
a curvatura da tua boca 
para dar vida e graça à estas linhas. 
Eu te enfeito de uma aura de anjo 
E pinto-te como a um arco-íris. 

Tu és uma construção, 
O tijolo e a parede do poema.  
E no fim, eu te dou cada linha minha.. 
E cada poema meu com devoção.
São teus, todos teus.. 
E esses versos ficam lá - no canto da sala -  afônicos e estáticos
Esperando que tu os aceite 
Esperando que a tua mão os recolha 
E que os aninhe no colo como a um filho amputado.


Nenhum comentário: