sexta-feira, 6 de abril de 2012

Poema sincero nr. 2




Às vezes sou tão triste 
que em vez de matar-me
ou chorar-me
ou morrer-me, 
eu escrevo poemas.. 
E há momentos em que até escrever-se aborrece..  
Há momentos em que me visto de plástico e que sorrio sem vontade
Maldita boa educação!!
A puta que pariu essa finesse incorpórea!!

Ahh chega!! 
Chega dessa ladainha de cinzas.. 
Hoje eu quero sorrir-me!!! 
Hoje eu quero as nuvens e todos os azuis.. 


Nenhum comentário: