quarta-feira, 6 de junho de 2012

Teu vírus de saudade contaminado e um manual de uso



Em que nuvem distante andas tu a morar???
Tão distante, que até o serviço de correios é ineficiente...
Se as cartas manuscritas não chegarem à tua porta, mandar-te-ei uma flecha..
Um dardo contaminado com o vírus da saudade..

Sabes, minha saudade é tanta que preciso de outra casa para acomodá-la..
E tão imensa que já anda louca, pobre velha..
Louca e nua,
procurando-te nas esquinas e arrabaldes..

Abre a tua porta e deixa-a entrar!!
Oferece-lhe um chá e coloque-a para dormir
(sim, ela tem andado febril)
Aguarda que ela descanse.
Depois dá-lhe um abraço e um amarilis azul..
Assim ficará satisfeita a saudade..
E, então, para casa voltará
- a saudade - bela flecha de ti contaminada..

03.06.12

"Da saudade na campa enegrecida 
Guardo a lembrança que me sangra o peito, 
Mas que no entanto me alimenta a vida."
Augusto dos Anjos



Magritte

Nenhum comentário: