quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Bio-grafia




A minha biografia é evidentemente excepcional:
Nasci.
Tive um pai, uma mãe, um berço, uma casa.
Fui à escola,
Depois à universidade.
Mudei de cidade tantas vezes que já nem sei.
Os meus contemporâneos alimentam uma estranha curiosidade..
Virei um coelho!!!

E penso que virei um coelho que só sabe escrever-se..
Isso, vim ao mundo para escrever-me..
Porque para mim a vida é uma longa carta!!
É preciso viver-se, é mister escrever-se!!!
Quantas linhas manuscritas se farão pela vida?
Quantos sonetos de pedra eu imprimirei no abismo?

Às vezes, penso em enlouquecer..
Viver na completa loucura seria, muitas vezes, uma benção..
Estar-se alheio.. Estar-se do outro lado.
Estou farta dessa gente feia e fútil..
Estou cansada dessas crianças com dívidas..

Ahh deixem-me registrar a longa carta,
Deixem-me atropelar o tempo e seus açoites
Permitam-me extrapolar o precipício..
Porque eu sou feita de lonjuras
E são de ar meus pensamentos..
Eu moro nesse mundo estranho, eu sei
Eu vivo de cá pra lá..
Tenho fome..
Tragam-me algumas cenouras..


Que ninguém me peça nada. Nada.
Deixai-me com o meu dia que nem sempre é dia,
com a minha noite que nem sempre é noite
como a alma quer.

Não sei caminhos de cor.

Fernando Namora, in 'Mar de Sargaços'



Nenhum comentário: