quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Canção poema da partida



E se faço poemas é porque canto..
E a minha canção é uma música triste
Um réquiem de adeuses e partidas
Porque eu já deixei para trás as estações e viajei em muitos trens..
Tanto parti
E parto, a cada dia, um pouquinho
Partir
P a r t i r
Partir sempre e amiúde
Partir como partem as locomotivas e as gaivotas..
Sem destino certo, sem bússola, sem mapa..
Partir como quem foge de casa
E procura nas esquinas.. uma abstração geométrica..


E se parti tanto, amor é porque tu és uma estação antiga,
perdida numa cidadezinha..
E eu, eu sonho 
locomotivas.. 




Nenhum comentário: