quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Réquiem



E escrever-me salva-me do caos..
Escrever-me é quase um suicídio,
Um suicídio onde me dispo inteira,
Coloco a corda no pescoço
E puft..
Um abismo sem volta nem parede..
Escrever-me é dissecar-me,
e então espalho meus pedaços nessas linhas,
Deixo-vos minhas mãos, meus pés de bailarina,
esse meu ventre infecundo,
Um rosto quieto e uma alma assim,
pseudo-viva, falsa-morta..
Um alma de dias e horas já gastas e distantes..
Uma alma de quem já não se sabe..
De quem já não vive,
De quem já  não sabe desenhar..
Eu só sei fazer versos e é feito de réquiens esse meu poema..

10.junho.12
"as mãos redescobriram o silêncio inesgotável da escrita
praticam esse ofício muito antigo
de na imobilidade da fala tudo desejarem."
Al Berto, in "Degredo no Sul"

 Fotos: Daniela Possamai - Exposição + Cruz
Ushuaia

Nenhum comentário: