sexta-feira, 9 de novembro de 2012

A avidez da minha boca de espera





Mas há umas horas tristes
Horas em que tenho vontade de gritar-te, 
Horas em que o meu maior, último e único desejo se confunde contigo..
E então, meu amor, vivo neste mundo -  essa casa de loucos -
sem saber-te,
sem dizer-te,
sem gritar-te.. 
Eu sei que o mundo é estranho, amor.. 
Eu sei que há chuva lá fora 
Que o trânsito é caótico
Que o dinheiro, os bens, os costumes.. 
Eu sei de tudo isso, amor.. 
E eu sei também esperar..  
Mas por favor, não demora.. 
Eu tenho uma boca muito ávida..
Ávida de ti..



Nenhum comentário: