segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Naufrágio e uma ilha perdida



Às vezes,
 faço do verso o mar.
E vivo naufraga,
à deriva,
perdida..
Imensamente perdida de ti..
 E nessas longas horas de naufrágio,
um dia talvez,
encontres eu um cais, um porto qualquer,
uma parte ínfima de terra,
sim, um pedaço de terra..
 uma terra que me aquiete a alma e sussure o silêncio..
Quiçá sejas tu uma ilha??


"Teus olhos inundando os meus
e a minha vida, já sem leito,
vai galgando margens
até tudo ser mar.
Esse mar que só há depois do mar."

Mia Couto, in "idades cidades divindades"





Nenhum comentário: