segunda-feira, 23 de março de 2015

Poema de areia





Minha alma era alguma coisa deserta..
Cactos, areais, dunas
Não havia fim
Nem início
Nem caminhos
De tudo, o único que havia eras tu..
E também eras tu o norte..
Só tu, nessa imensidão infinita, é que soubeste encontrar naquilo que era areia, um pedaço dessa minha alma em flor
Só tu é que fizeste florir-me..
Só tu..
Mas eu, numa loucura infame, parti..
Deixando-te para trás..
E agora, diz-me..
Diz-me porque eu não sei viver
e é em ti que mora o alento para esse meu coração de estanho..

 10.06.12

Nenhum comentário: